Tenadren®
cloridrato de propranolol + hidroclorotiazida


FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES:
Tenadren® 40 mg + 25 mg ­ caixa com 30 e 100 comprimidos (Embalagem
Fracionável).
Tenadren® 80 mg + 25 mg ­ caixa com 30 e 100 comprimidos (Embalagem
Fracionável).
USO ADULTO
USO ORAL

COMPOSIÇÃO:
Cada comprimido de Tenadren® 40 mg contém:
cloridrato de propranolol ……………………………………………………… 40 mg
hidroclorotiazida ……………………………………………………………….. 25 mg
excipiente* q.s.p. …………………………………………………….. 1 comprimido
* celulose microcristalina, lactose monoidratada,óxido de ferro amarelo, ácido
esteárico, estearato de magnésio, dióxido de silício.
Cada comprimido de Tenadren® 80 mg contém:
cloridrato de propranolol ……………………………………………………… 80 mg
hidroclorotiazida ……………………………………………………………….. 25 mg
excipiente* q.s.p. …………………………………………………….. 1 comprimido
* celulose microcristalina, lactose monoidratada,óxido de ferro amarelo, ácido
esteárico, estearato de magnésio.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE
COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
Tenadren® promove a diminuição da pressão arterial.


PORQUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?
Tenadren® é indicado para tratamento da pressão alta (hipertensão).
QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Contra-indicações:
Você não deve usar Tenadren® nos seguintes casos:
- For alérgico a qualquer um de seus componentes da formulação;
- For alérgico a derivados da sulfonamida;
- Não estiver urinando.
Advertências e Precauções
A utilização de Tenadren® durante a gravidez ou a lactação somente deverá ser feita
quando necessária e de acordo com a orientação de seu médico.
Tanto o cloridrato de propranolol quanto a hidroclorotiazida são eliminados no leite
materno.
Precauções:
Informe ao seu médico sobre quaisquer problemas de saúde que esteja apresentando
ou tenha apresentado e sobre quaisquer tipos de alergias.
Informe ao seu médico se tiver qualquer tipo de doença cardíaca, problemas do fígado
ou dos rins, gota, se estiver sendo submetido à hemodiálise ou sendo tratado com
diuréticos.
Interações medicamentosas:
Durante o tratamento você não poderá usar outro medicamento sem orientação do
seu médico. Portanto, você deve perguntar ao médico sobre a necessidade do uso de
qualquer outro medicamento durante o tratamento com Tenadren®.
Não tome bebidas alcoólicas durante o tratamento com Tenadren®.
“Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação
médica”.
“Informe seu médico ou cirurgião-dentista sobre o aparecimento de reações adversas
indesejáveis.”
“Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum
medicamento”.
“Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para
sua saúde”.
COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Aspecto físico


Tenadren® 40 mg + 25 mg: Comprimido na cor creme, plano gravado em uma das
faces e liso na outra.
Tenadren® 80 mg + 6,25 mg: Comprimido na cor creme, plano gravado em uma das
faces e liso na outra.
Características organolépticas
Os comprimidos não possuem sabor ou odor característico.
Dosagem
A dose é determinada de acordo com a orientação do seu médico.
A dose inicial usual de propranolol é de 40 mg, duas vezes ao dia, podendo ser
aumentada gradualmente até que se atinja o controle adequado da pressão arterial. A
dose de propranolol usualmente eficaz é geralmente conseguida com 160 mg a 480
mg por dia.
A dose diária hidroclorotiazida pode variar de 25mg a 100 mg, conforme a
necessidade do paciente definida pelo médico.
Quando doses de cloridrato de propranolol superiores a 320 mg são necessárias, a
associação dos componentes em Tenadren® não é adequada, pois seu uso conduziria
a uma dose excessiva da hidroclorotiazida.
Como usar
Tenadren® comprimidos deve ser utilizado por via oral.
O que fazer se eu esquecer de tomar uma dose?
Você deve tomar Tenadren® conforme orientado pelo seu médico. Se você deixou de
tomar uma dose, deverá tomar a dose seguinte como de costume, isto é, na hora
regular e sem dobrar a dose.
“Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a
duração do tratamento”.
“Não interrompa o tratamento do seu médico”.
“Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o
aspecto do medicamento”.
“Este medicamento não pode ser partido ou mastigado”.
QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?
Informar ao médico o aparecimento de reações desagradáveis tais como diminuição
dos batimentos cardíacos (bradicardia), formigamento das mãos, insônia, fraqueza,
cansaço, agitação, alucinações, náusea, vômito, dor abdominal, diarréia, faringite,
vermelhidão
da
pele,
broncoespasmo,
urticária,
dificuldade
respiratória,
amarelamento da pele, secura da boca, sede, dores musculares ou cãibras.


O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA GRANDE QUANTIDADE DESTE
MEDICAMENTO DE UMA SÓ VEZ?
Caso ocorra acidentalmente o uso em grande quantidade deste medicamento procurar
um médico imediatamente para que ele possa prestar atendimento de urgência.
Os sintomas mais prováveis serão sensação de aturdimento ou tontura em razão da
queda repentina ou excessiva da pressão arterial e/ou sede excessiva, confusão,
redução da quantidade de urina eliminada ou aceleração dos batimentos cardíacos.
ONDE E COMO DEVO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Você deve guardar este medicamento em sua embalagem original.
Manter à temperatura ambiente (15ºC a 30ºC). Proteger da luz e manter em lugar
seco.
“Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças”.
INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
Características farmacológicas:
Tenadren® é uma associação de dois agentes anti-hipertensivos: cloridrato de
propranolol, um agente bloqueador beta-adrenérgico, e hidroclorotiazida, uma tiazida
diurética anti-hipertensiva.
O cloridrato de propranolol é quimicamente designado cloridrato de (±)1-
isopropilamino-3-(1-naftilox) propan-2-ol.
A hidroclorotiazida é quimicamente designada de 1,1-dióxido de 6-cloro-3,4-diidro-
2H-1,2,4-benzotiadiazi-na-7-sulfonamida.
O cloridrato de propranolol é um agente bloqueador de receptores beta-adrenérgicos,
não seletivo, não possuindo qualquer outra atividade sobre o sistema nervoso
autônomo. Compete especificamente com agentes estimulantes dos receptores beta-
adrenérgicos, pelos sítios receptores disponíveis. Quando o acesso aos sítios
receptores beta-adrenérgicos é bloqueado pelo propranolol, as respostas cronotrópica,
inotrópica e vasodilatadora do estímulo beta-adrenérgico são proporcionalmente
diminuídas.
O mecanismo do efeito anti-hipertensivo de propranolol não está totalmente
elucidado. Entre os fatores que podem estar envolvidos, contribuindo para a ação
anti-hipertensiva, estão a diminuição do débito cardíaco, inibição da secreção de
renina pelos rins e a diminuição do tônus simpático proveniente dos centros
vasomotores do cérebro.
Embora a resistência periférica total possa aumentar inicialmente, ela reajusta-se ao
nível anterior ao tratamento ou abaixo dele com o uso crônico de propranolol. Os
efeitos sobre o volume plasmático são menores e mais variáveis. Propranolol tem
demonstrado causar um pequeno aumento na concentração sérica de potássio,
quando usado no tratamento de pacientes hipertensos.


Não há correlação simples entre o nível plasmático ou dose, e o efeito terapêutico; e a
variação dose-resposta demonstrada clinicamente é ampla. A principal razão para
isto, é que o tônus simpático varia consideravelmente entre os indivíduos. Uma vez
que não há teste seguro para estimar o tônus simpático ou determinar se o bloqueio
beta-adrenérgico total foi alcançado, a dose exata requer rastreamento.
O objetivo principal do tratamento com beta-bloqueadores é diminuir a estimulação
simpática adversa, a um grau que não prejudique o suporte simpático necessário.
A hidroclorotiazida é uma benzotiadiazina (tiazida) diurética intimamente relacionada
à clorotiazida. O mecanismo do efeito anti-hipertensivo das tiazidas não é conhecido.
As tiazidas não afetam a pressão arterial normal.
As tiazidas afetam o mecanismo tubular renal de reabsorção de eletrólitos. Na
dosagem terapêutica máxima, todas as tiazidas são aproximadamente iguais em sua
potência diurética.
As tiazidas aumentam a excreção de sódio e cloreto aproximadamente em
quantidades equivalentes. A natriurese causa perda secundária de potássio e
bicarbonato.
Propranolol é quase que completamente absorvido pelo trato gastrintestinal. Em
seguida, vai ao fígado onde fixa-se aos sítios de ligação não específicos. Ocorrem
grandes diferenças individuais na saturação hepática, devido às diferenças de fluxo
hepático. Após administração oral, a droga não atinge a circulação geral até que os
sítios de ligação hepática estejam saturados. Após a saturação, as ligações hepáticas
não mais afetam a passagem de propranolol para a corrente sangüínea. A quantidade
de propranolol que atinge a circulação após uma dose oral também depende da
quantidade da droga metabolizada durante a primeira passagem pelo fígado.
Propranolol atinge nível plasmático em 30 minutos após administração oral, e o pico
de concentração plasmática ocorre entre 60 a 90 minutos. Propranolol é largamente
distribuído nos tecidos do organismo, incluindo fígado, coração, rins e pulmões. A
droga atravessa rapidamente a barreira hemato-encefálica e a placenta. Propranolol,
em mais de 90%, está ligado às proteínas plasmáticas. Tanto o propranolol livre
quanto o propranolol ligado às proteínas são metabolizados.
A eliminação da droga parece seguir cinética de primeira ordem. A meia-vida biológica
é de aproximadamente 4 horas. Propranolol é quase que completamente metabolizado
no fígado, e pelo menos oito metabólitos foram diferenciados na urina. Somente 1 a
4% de uma dose oral da droga aparece nas fezes de forma inalterada ou como
metabólito. Propranolol não é significantemente dialisável.
O início da ação diurética da tiazida ocorre em 2 horas e o seu efeito máximo em
cerca de 4 horas. Sua ação persiste por aproximadamente 6 a 12 horas.
Aparentemente a hidroclorofiazida não é metabolizada, sendo excretada de forma
inalterada na urina. A excreção é completa depois de 24 horas.
RESULTADOS DA EFICÁCIA:
Inicialmente, as doses recomendadas de diuréticos tiazídicos eram da ordem de 200
mg/dia. Com o passar dos anos estas doses foram sendo diminuídas para 6,25 mg a
25mg por dia, em virtude dos estudos clínicos realizados, os quais mostraram os
efeitos deletérios de diuréticos tiazídicos em doses elevadas.


Em pacientes hipertensivos com boa função renal, a maioria dos efeitos anti-
hipertensivos serão obtidos com baixas doses de diuréticos tiazídicos, portanto, com
menos efeitos colaterais.
Quando associamos os tiazídicos aos betabloqueadores potencializamos os seus
efeitos anti-hipertensivos, pois diminuímos o aumento do volume plasmático. Contudo
as doses dos tiazídicos para esta associação devem ser baixas (6.25-25 mg/dia), para
prevenirmos os efeitos adversos fatais ocasionados com doses altas da
hidroclorotiazida.
INDICAÇÕES
Tenadren® está indicado no tratamento da hipertensão, sempre que as doses
necessárias dos componentes isolados tenham sido determinadas previamente.
Tenadren® não está indicado para tratamento inicial ou de emergência da
hipertensão. Hipertensão requer individualização do tratamento de acordo com a
resposta clínica de cada paciente. Caso a associação presente em Tenadren®
represente as doses determinadas, o produto pode ser utilizado para maior
conveniência do paciente. O tratamento na hipertensão não é estático, devendo, por
este motivo, a condição de cada paciente ser reavaliada constantemente.
CONTRA-INDICAÇÕES
Tenadren® é contra-indicado em pacientes com:
1. Choque cardiogênico;
2. Bradicardia sinusal;
3. Bloqueio atrioventricular maior que primeiro grau (o bloqueio beta-adrenérgico
pode impedir a facilitação da condução induzida pela atividade simpática);
4. Asma brônquica;
5. Insuficiência cardíaca congestiva (vide Precauções), a menos que a insuficiência
seja subseqüente a uma taquiarritmia tratável com propranolol;
6. Anúria;
7. Hipersensibilidade à hidroclorotiazida ou a outras drogas derivadas da sulfonamida.

MODO DE USAR E CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO DEPOIS DE ABERTO
Este medicamento destina-se ao uso oral.
Manter à temperatura ambiente (15ºC a 30ºC). Proteger da luz e manter em lugar
seco. Manter na embalagem original que deve ser bem fechada após cada abertura.
POSOLOGIA


A dose deve ser determinada por rastreamento individual. A dose inicial usual de
propranolol é de 40 mg, duas vezes ao dia, podendo ser aumentada gradualmente até
que se atinja o controle adequado da pressão arterial. A dose de propranolol
usualmente eficaz é geralmente conseguida com 160 mg a 480 mg por dia.
A dose diária de hidroclorotiazida pode variar de 25mg a 100 mg, conforme critério
médico.
Quando doses de cloridrato de propranolol superiores a 320 mg são necessárias, a
associação dos componentes em Tenadren® não é adequada, pois seu uso conduziria
a uma dose excessiva do componente tiazídico. Quando necessário, pode-se adicionar
outro agente anti-hipertensivo gradualmente, começando com 50% da dose usual
recomendada, para evitar queda excessiva da pressão arterial.

ADVERTÊNCIAS
Deve-se usar propranolol com cautela em pacientes com insuficiência hepática ou
renal.
O bloqueio de receptores beta-adrenérgicos pode causar redução da pressão intra-
ocular. Os pacientes devem ser avisados que propranolol pode interferir em teste de
triagem de glaucoma. A interrupção da droga pode reconduzir ao aumento da pressão
intra-ocular.
A estimulação simpática pode ser um componente vital, auxiliando a função
circulatória em pacientes com insuficiência cardíaca congestiva, e sua inibição pelo
bloqueio beta-adrenérgico pode precipitar uma insuficiência cardíaca mais intensa.
Embora os bloqueadores beta-adrenérgicos devam ser evitados na insuficiência
cardíaca congestiva, se necessário, podem ser usados com um acompanhamento
cuidadoso em pacientes com história de insuficiência cardíaca bem compensada, e
estejam recebendo digitálicos e diuréticos. Os bloqueadores beta-adrenérgicos não
anulam a ação inotrópica dos digitálicos na musculatura cardíaca.
O uso contínuo de bloqueadores beta-adrenérgicos em pacientes sem antecedentes de
insuficiência cardíaca pode, em alguns casos, conduzir à própria insuficiência cardíaca.
Portanto, ao primeiro sinal ou sintoma de insuficiência cardíaca, o paciente deve ser
digitalizado e/ou tratado com diuréticos e a resposta rigorosamente observada, ou o
uso de propranolol deve ser interrompido (gradualmente, se possível).
Há relatos de exacerbação de angina e, em alguns casos, infarto do miocárdio, após a
descontinuidade abrupta do tratamento com propranolol. Portanto, quando a
descontinuidade de propranolol é desejada, a dosagem deve ser gradualmente
reduzida durante, pelo menos, algumas semanas e o paciente deve ser alertado
contra a interrupção ou o término do tratamento, sem a recomendação do médico.
Caso o tratamento com propranolol seja interrompido e ocorrer a exacerbação da
angina, aconselha-se a reiniciar o tratamento com propranolol e tomar outras medidas
apropriadas para o controle de angina pectoris instável. Uma vez que a doença
arterial coronariana pode ser de difícil reconhecimento em pacientes ateroscleróticos
que estejam recebendo propranolol para outras indicações, aconselha-se seguir as
recomendações acima.
De modo geral, pacientes com doenças broncoespásticas não alérgicas (bronquite
crônica, enfisema) não devem receber bloqueadores beta-adrenérgicos. Propranolol,
se necessário, deve ser administrado com cautela, uma vez que pode bloquear a
broncodilatação produzida pela ação de catecolaminas endógenas e exógenas sobre
receptores beta.
A necessidade de interrupção do tratamento com bloqueadores beta-adrenérgicos
antes de grandes cirurgias é controversa. Deve-se salientar, entretanto, que a
diminuição da resposta cardíaca aos reflexos estimulantes adrenérgicos pode
aumentar os riscos da anestesia geral e dos procedimentos cirúrgicos.
Propranolol, como outros bloqueadores beta-adrenérgicos, é um inibidor competitivo
de agonistas de receptores beta-adrenérgicos e seus efeitos podem ser revertidos
pela administração de alguns agentes, como dobutamina ou isoproterenol. Entretanto,
alguns pacientes podem estar sujeitos a hipotensão severa prolongada. A dificuldade
em iniciar e manter o batimento cardíaco também tem sido relatada com
bloqueadores beta-adrenérgicos.
O agente beta-bloqueador, quando necessário, deve ser utilizado com cautela em
pacientes diabéticos. Os bloqueadores beta-adrenérgicos podem mascarar a
taquicardia que ocorre com a hipoglicemia, mas outras manifestações tais como
vertigem e transpiração podem não ser significantemente afetadas. Após a
hipoglicemia induzida pela insulina, propranolol pode retardar a recuperação dos
níveis normais de glicose sangüínea.
O bloqueio beta-adrenérgico pode mascarar certos sinais clínicos de hipertireoidismo.
Portanto, a interrupção abrupta de propranolol pode ser seguida de uma exacerbação
dos sintomas de hipertireoidismo, incluindo distúrbios da tireóide. Propranolol pode
alterar testes de função da tireóide, aumentando T4 e T3 reverso, e diminuindo T3.
Observou-se em diversos casos de síndrome de Wolff-Parkinson-White que, após o
uso de propranolol, a taquicardia foi substituída por uma bradicardia intensa,
necessitando de marcapasso de demanda. Em um caso, este fato ocorreu após uma
dose inicial de 5 mg de propranolol.
A hidroclorotiazida deve ser utilizada com cautela em pacientes com doença renal
grave, uma vez que as tiazidas podem provocar azotemia. Pacientes com função renal
prejudicada podem apresentar efeitos cumulativos da droga.
As tiazidas também devem ser utilizadas com cautela em pacientes com função
hepática prejudicada ou com doença progressiva do fígado, já que a menor alteração
de fluidos e do equilíbrio eletrolítico pode provocar coma hepático.
As tiazidas podem causar adição ou potenciar a ação de outras drogas anti-
hipertensivas. A potenciação ocorre com drogas bloqueadoras adrenérgicas
ganglionares ou periféricas.
Reações de sensibilidade podem ocorrer em pacientes com história de alergia ou asma
brônquica. A possibilidade de exacerbação ou ativação de lupus eritematoso sistêmico
tem sido relatada.
A determinação periódica de eletrólitos séricos para determinar possível desequilíbrio
eletrolítico deve ser realizada a intervalos adequados.
Todos os pacientes recebendo tratamento tiazídico devem ser observados em relação
a sinais clínicos de distúrbios de fluidos ou eletrólitos como: hiponatremia, alcalose
hipoclorêmica e hipopotassemia. As determinações eletrolíticas séricas e na urina são
particularmente importantes quando o paciente está vomitando excessivamente,
recebendo soluções parenterais ou glicosídios digitálicos.


Os sinais que devem ser observados, independentemente da sua causa são: secura da
boca; sede; fraqueza; letargia; sonolência; inquietação; dores musculares ou cãibras;
fadiga muscular; hipotensão; oligúria; taquicardia; distúrbios gastrintestinais tais
como náusea e vômito.
Pode ocorrer hipopotassemia, especialmente com diurese acelerada, quando há
presença de cirrose intensa, ou durante o uso concomitante de corticosteróides ou
hormônio adrenocorticotrópico (ACTH). A interferência de administração oral de
eletrólito contribuirá também para hipopotassemia. A hipopotassemia pode sensibilizar
ou exacerbar a resposta cardíaca aos efeitos tóxicos dos digitálicos (excitabilidade
ventricular aumentada). A hipopotassemia pode ser evitada ou tratada pela
suplementação de potássio através de alimentação com alto teor de potássio.
Deficiência em cloretos, caso ocorra, é geralmente leve e normalmente não requer
tratamento específico, exceto sob circunstâncias extraordinárias, como em doenças
hepática ou renal. Pode ocorrer hiponatremia por diluição em pacientes edematosos
durante as estações quentes. O tratamento adequado é a restrição de água, exceto
em raros casos, quando a hiponatremia coloca em risco a vida do paciente. Nestes
casos, deve-se recomendar a de reposição de sal.
Pode ocorrer hiperuricemia ou gota em certos pacientes recebendo terapia tiazídica.
Os efeitos anti-hipertensivos do medicamento podem estar aumentados nos pacientes
pós-simpatectomizados. As tiazidas podem diminuir a sensibilidade arterial à
norepinefrina. Esta diminuição não é suficiente para excluir a eficácia do agente
pressor para uso terapêutico.
A quantidade de insulina necessária para pacientes diabéticos pode aumentar,
diminuir ou permanecer inalterada. Diabetes mellitus, o qual tem permanecido
latente, pode manifestar-se durante a administração de tiazida.
Caso a insuficiência renal progressiva torne-se evidente, deve-se considerar a
descontinuidade da terapia diurética.
Carcinogênese, mutagênese, prejuízo da fertilidade: Estudos de longo tempo em
animais têm sido conduzidos para avaliar efeitos tóxicos e potencial carcinogênico de
propranolol. Em estudos de 18 meses, em ratos e camundongos, empregando-se
doses de até 150 mg/kg/dia, não houve evidência de toxicidade significante induzida
pelo propranolol. Não foram relatados efeitos tumorigênicos devido à droga para
quaisquer doses utilizadas. Estudos reprodutivos em animais não mostraram qualquer
prejuízo na fertilidade que fosse atribuível ao propranolol. Não foram realizados
estudos prolongados em animais, para avaliar os potenciais carcinogênicos e
mutagênicos de hidroclorotiazida. Os efeitos de propranolol e hidroclorotiazida na
fertilidade humana são desconhecidos.
Uso durante a gravidez: Estudos em animais demonstraram que o propranolol pode
ser embriotóxico em doses 10 vezes maiores que a dose máxima recomendada em
humanos. As tiazidas atravessam a barreira placentária e podem ser detectadas no
cordão umbilical. Uma vez que não há estudos adequados e bem controlados em
mulheres grávidas, Tenadren® não deve ser usado durante a gravidez, a menos que
os benefícios esperados para a paciente superem os riscos potenciais para o feto,
segundo critério médico. Estes riscos incluem icterícia fetal ou neonatal,
trombocitopenia, e possivelmente outras reações adversas, as quais têm ocorrido em
adultos.


“Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação
médica.”
Uso durante a lactação: As tiazidas e o propranolol são excretados no leite
materno. Caso o uso de Tenadren® seja considerado essencial, a paciente deve
interromper a amamentação.
USO EM IDOSOS, CRIANÇAS E OUTROS GRUPOS DE RISCO
Uso pediátrico: A eficácia e segurança de Tenadren® em crianças não foram
estabelecidas.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Pacientes recebendo drogas depletoras de catecolaminas, tais como reserpina, devem
ser rigorosamente observados caso recebam propranolol. A ação adicional
bloqueadora de catecolamina pode provocar uma redução excessiva da atividade
nervosa simpática final, a qual pode resultar em hipotensão, bradicardia acentuada,
vertigem, crises de síncope, ou hipotensão ortostática.
Deve-se ter cautela quando da administração de drogas bloqueadoras de canais de
cálcio em pacientes que estejam recebendo beta-bloqueadores, especialmente
verapamil intravenoso, pois ambas as drogas podem deprimir a contratilidade
miocárdica ou a condução atrioventricular.
O gel de hidróxido de alumínio reduz consideravelmente a absorção intestinal de
propranolol.
O álcool etílico reduz a velocidade de absorção de propranolol.
A fenitoína, fenobarbital e rifampicina aceleram o clearance de propranolol.
A clorpromazina quando usada concomitantemente com propranolol resulta em
aumento do nível plasmático de ambas as drogas.
A antipirina e a lidocaína têm o clearance reduzido quando usadas concomitantemente
com propranolol.
A administração concomitante de tiroxina e propranolol pode resultar em
concentração de T3 menor do que a esperada.
A cimetidina diminui o metabolismo hepático de propranolol, retardando sua
eliminação e aumentando os níveis sangüíneos da droga.
O clearance de teofilina é reduzido quando usada concomitantemente com
propranolol.
As drogas tiazídicas podem causar bloqueio neuromuscular prolongado em pacientes
recebendo agentes bloqueadores neuromusculares não despolarizantes como cloreto
de tubocumarina ou trietiliodeto de galamina.


Interações com exames laboratoriais:
O propranolol pode alterar alguns testes clínicos laboratoriais, provocando níveis
elevados de uréia sangüínea em pacientes com severa doença cardíaca, elevação de
trasaminase sérica, fosfatase alcalina e desidrogenase lática.
As tiazidas podem diminuir as quantidades de iodeto ligado às proteínas plasmáticas
sem que haja sinais de distúrbios da tireóide.
A excreção de cálcio é diminuída pelas tiazidas. Alterações patológicas na glândula
paratireóide com hipercalcemia e hipofosfatemia têm sido observadas em alguns
pacientes recebendo terapia tiazídica prolongada. As complicações comuns do
hiperparatireoidismo, tais como litíase renal, reabsorção óssea e ulceração péptica,
não têm sido observadas. As tiazidas devem ser descontinuadas antes da realização
de testes da função paratireóide.
REAÇÕES ADVERSAS A MEDICAMENTOS:
As seguintes reações adversas podem ser atribuídas ao uso de Tenadren®:
Cardiovasculares: bradicardia; insuficiência cardíaca congestiva; intensificação do
bloqueio atrioventricular; hipotensão; hipotensão ortostática (pode ser agravada pelo
álcool, barbitúricos ou narcóticos); parestesia das mãos; insuficiência arterial,
geralmente do tipo Raynaud.
Sistema Nervoso Central: depressão mental manifestada por insônia, lassidão,
fraqueza, fadiga, depressão mental reversível progredindo para catatonia; distúrbios
visuais; alucinações; sonhos vividos; uma síndrome aguda reversível caracterizada
por desorientação de tempo e espaço, perda temporária da memória, labilidade
emocional, leves distúrbios sensoriais, e desempenho psicomotor prejudicado;
tontura; vertigem; parestesias; cefaléia; xantopsia. Doses diárias totais de
propranolol acima de 160 mg (quando administradas em doses divididas maiores que
80 mg cada) podem ser associadas a aumento da incidência de fadiga, letargia, e
sonhos vividos.
Gastrintestinais: náusea; vômito; dor epigástrica; cólica abdominal; diarréia;
constipação; trombose arterial mesentérica; colite isquêmica; anorexia; irritação
gástrica; icterícia colestática intra-hepática; pancreatite; sialadenite.
Alérgicas: faringite; agranulocitose; febre associada a dor e inflamação da garganta;
laringoespasmo;
dificuldade
respiratória
incluindo
pneumonite;
púrpura;
fotossensibilidade; rash cutâneo; urticária; angeíte (vasculite, vasculite cutânea);
reações anafiláticas.
Respiratórias: broncoespasmo.
Hematológicas:
agranulocitose;
púrpura
não
trombocitopênica;
púrpura
trombocitopênica; leucopenia; anemia aplástica.
Auto-imunes: em casos extremamente raros, lupus eritematoso sistêmico (LES) tem
sido relatado.
Outras: alopecia; reações semelhantes às do lupus eritematoso sistêmico; erupções
psoriasiformes;
hiperglicemia;
glicosúria;
hiperuricemia;
espasmo
muscular;
fraqueza; agitação; olhos secos; impotência masculina; doença de Peyronie; visão
obscura transitória tem sido raramente relatada.


Sempre que as reações adversas são moderadas ou intensas, a dose de tiazida deve
ser reduzida, ou o tratamento interrompido.
SUPERDOSE
O componente cloridrato de propranolol pode causar bradicardia, insuficiência
cardíaca, hipotensão ou broncoespasmo. O componente hidroclorotiazida pode causar
diurese. Pode surgir letargia de graus variados na ausência de alterações significativas
de eletrólitos séricos ou desidratação, podendo progredir para coma dentro de poucas
horas, com depressão mínima da função respiratória e cardiovascular. O mecanismo
de depressão do sistema nervoso central com superdosagem de tiazida é
desconhecido. Pode ocorrer irritação e hipermotilidade gastrintestinal; tem sido
relatada elevação temporária do nitrogênio uréico do sangue, e podem ocorrer
alterações de eletrólitos séricos, especialmente em pacientes com função renal
prejudicada.
As seguintes medidas devem ser empregadas:
Geral: caso a ingestão tenha sido recente, esvaziar o conteúdo gástrico, tomando
cuidado para prevenir a aspiração pulmonar;
Bradicardia: deve-se administrar atropina (0,25 mg a 1,0 mg). Caso não haja
resposta ao bloqueio vagal, administrar isoproterenol cautelosamente.
Insuficiência cardíaca: digitálicos e diuréticos;
Hipotensão: vasopressores como norepinefrina ou epinefrina (evidências indicam a
epinefrina como droga de escolha);
Broncoespasmo: deve-se administrar isoproterenol e aminofilina;
Gastrintestinais: embora usualmente de curta duração, estes efeitos podem
requerer tratamento sintomático;
Anormalidades no nitrogênio uréico do sangue ou eletrólitos séricos:
monitorizar os níveis de eletrólito sérico e função renal; instituir medidas de suporte,
como requerida individualmente, para manter a hidratação, o equilíbrio eletrolítico, a
respiração e função renal e cardiovascular;
Inconsciência ou coma: deve-se realizar tratamento geral de suporte.
ARMAZENAGEM
Manter à temperatura ambiente (15ºC a 30ºC). Proteger da luz e manter em lugar
seco.

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Reg. MS Nº: 1.3569.0019
Farm. Resp: Dr. Carlos Alberto Fonseca de Moraes.


CRF-SP nº: 14.546

Fabricado por:
EMS S/A.
Rua Com. Carlo Mário Gardano nº 450
São Bernardo do Campo ­ SP
CEP. 09720-470
EMS S/A.
Rodovia SP-101, Km 08, Hortolândia / SP.
CEP. 13186-901
SIGMA PHARMA LTDA.
Rodovia SP-101, Km 08, Hortolândia / SP.
CEP. 13186-901
CNPJ: 00.923.140/0001-31


Nº de Lote, Fabricação e Validade: vide cartucho.


Mais Bulas de Medicamentos


Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>