ONCOVIN®
sulfato de vincristina

DESCRIÇÃO
Oncovin® (sulfato de vincristina) é o sal de um alcalóide obtido de uma planta florescente
comum, a pervinca (Vinca rosea Linn), originalmente conhecida como leurocristina, também
conhecida como LCR e VCR. A fórmula molecular do sulfato de vincristina é C46H56N4O10.
H2SO4. Tem peso molecular de 923,04.
FORMA FARMACÊUTICA, VIA DE ADMINISTRAÇÃO E APRESENTAÇÃO
USO EXCLUSIVO POR VIA INTRAVENOSA DIRETA
Pó para Solução Injetável
Oncovin® 1mg ­ Cada frasco contém 1 mg de sulfato de vincristina. Embalagem com 1
frasco-ampola + 1 ampola-diluente com 10 mL de Solução Bacteriostática.
Excipiente: 9 mg de lactose monoidratada.
Aparência: Pó branco a branco-amarelado na forma de pastilha liofilizada.
Solução Bacteriostática – Cada ampola-diluente, contém:
Cloreto de sódio……………………………………………………………………….. 0,9%
Álcool benzílico*…………………………………………………………………………0,9%
Água para injeção………………………………………………………………q.s.p. 10 mL
*OBS.: O álcool benzílico é utilizado como preservante da solução bacteriostática. A solução
reconstituída com este diluente não deve ser usada em recém-nascidos (ver POSOLOGIA).
ATENÇÃO
Este produto reconstituído com 10 mL de diluente proporciona uma solução em que cada
mL corresponde a 0,1 mg de sulfato de vincristina.

USO RESTRITO A HOSPITAIS E CLÍNICAS ESPECIALIZADAS
USO ADULTO E PEDIÁTRICO

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
Sulfato de vincristina é um medicamento denominado antineoplásico, usado em pacientes
com câncer, que bloqueia a divisão das células.

QUAIS AS PRINCIPAIS INDICAÇÕES DESTE MEDICAMENTO?
Leucemia linfocítica aguda; neuroblastoma; tumor de Wilms; câncer de mama; câncer de
pulmão de pequenas células; câncer epitelial de ovário; câncer cervical; câncer colorretal;
linfomas de Hodgkin; linfomas não-Hodgkin; rabdomiossarcoma; sarcoma de Ewing;
osteossarcoma; melanoma maligno; tumor de célula germinativa de ovário; micose fungóide;
púrpura trombocitopênica idiopática; sarcoma de Kaposi associado à síndrome da
imunodeficiência adquirida (AIDS).

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Este medicamento não deve ser utilizado em pacientes com a forma desmielinizante da
síndrome de Charcot-MarieTooth.
Condições que exigem avaliações dos Riscos e Benefícios:
Baixa contagem de glóbulos brancos; herpes zoster; varicela; diminuição da função hepática;
infecção; tratamento anterior com droga citotóxica ou radioterapia; histórico de gota ou de
pedra nos rins; sensibilidade ao sulfato de vincristina.
“Não há contra-indicação relativa a faixas etárias”.
“Informe ao médico o aparecimento de reações indesejáveis”.


“Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a
sua saúde”.
“Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação
médica”.
“Informe ao seu médico se você estiver fazendo uso de algum outro medicamento”.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Este medicamento é de uso injetável, exclusivamente por via intravenosa direta, e deve ser
aplicado por serviços especializados sob monitoração do médico.
“Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a
duração do tratamento”.
“Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico”.
“Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o
aspecto do medicamento”.
QUAIS AS EVENTUAIS REAÇÕES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?
As principais reações são: constipação grave, aumento ou diminuição da urina, dor ou
dificuldade para urinar, aumento do ácido úrico, perda de cabelo, neurotoxicidade
evidenciada por visão dupla, dificuldade de andar, dor de cabeça, dor na mandíbula,
formigamento ou dor nos dedos, dor nos testículos e fraqueza.
Outras reações menos freqüentes são: dor e vermelhidão no local da injeção (celulite),
náusea, vômito, inchaço, perda de peso corporal e erupção na pele.
Reações raras são: diminuição de plaquetas e de glóbulos brancos, inflamação na língua e
síndrome atribuída à secreção inapropriada do hormônio antidiurético.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA GRANDE QUANTIDADE DESTE MEDICAMENTO
DE UMA SÓ VEZ?
Procurar um hospital ou Centro de Controle de Intoxicação, para tratamento dos sintomas.

ONDE E COMO DEVO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Oncovin® deve ser guardado na geladeira (2 a 8ºC) e protegido da luz.

“Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças”.

INFORMAÇÕES TÉCNICAS

CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
O mecanismo de ação do sulfato de vincristina permanece sob investigação e tem sido
relacionado à inibição da formação de microtúbulos no fuso mitótico, resultando na parada da
divisão celular durante a metáfase.
Cerca de 15 a 30 minutos após a injeção, mais de 90% da droga são distribuídos do sangue
ao tecido, onde permanecem localizados, mas não irreversivelmente ligados. O sulfato de
vincristina não penetra bem no líquido cefalorraquidiano, o que pode ser concluído a partir de
relatos de aparecimento de leucemia no sistema nervoso central em pacientes tratados com
sucesso com sulfato de vincristina.
Estudos farmacocinéticos em pacientes com câncer demonstraram uma queda trifásica do
nível sérico após rápida injeção intravenosa. A meia-vida inicial é de 5 minutos, a meia-vida
média é de 2,3 horas e a meia-vida final é de 85 horas, sendo que a meia-vida final varia de
19 a 155 horas.
Foi demonstrado que o metabolismo dos alcalóides da vinca é mediado por isoenzimas
hepáticas do citocromo P450 na sub-família CYP 3A. Como a principal via de excreção é o
sistema biliar, a metabolização deste medicamento pode estar prejudicada em pacientes com
disfunção hepática ou que estejam tomando concomitantemente inibidores potentes dessas
isoenzimas (ver PRECAUÇÕES). Cerca de 80% de sulfato de vincristina são excretados nas
fezes e de 10 a 20% são eliminados na urina.
Os princípios quimioterápicos atuais para diversos tipos de câncer incluem a administração
concomitante de diversos agentes antineoplásicos, melhorando o efeito terapêutico e evitando
a toxicidade aditiva. O sulfato de vincristina geralmente é escolhido para a poliquimioterapia
porque não provoca supressão significante da medula (em doses recomendadas) e devido a
sua toxicidade clínica característica (neuropatia).



INDICAÇÕES
Leucemia linfocítica aguda; neuroblastoma; tumor de Wilms; câncer de mama; câncer de
pulmão de pequenas células; câncer epitelial de ovário; câncer cervical; câncer colorretal;
linfomas de Hodgkin; linfomas não-Hodgkin; rabdomiossarcoma; sarcoma de Ewing;
osteossarcoma; melanoma maligno; tumor de célula germinativa de ovário; micose fungóide;
púrpura trombocitopênica idiopática; sarcoma de Kaposi associado à síndrome da
imunodeficiência adquirida (AIDS).
CONTRA-INDICAÇÕES
O sulfato de vincristina é contra-indicado para pacientes com a forma desmielinizante da
síndrome de Charcot-Marie-Tooth. Condições que necessitam de uma avaliação entre risco e
benefício são mencionadas em ADVERTÊNCIAS e PRECAUÇÕES.
MODO DE USAR
ATENÇÃO
· Produto vesicante;
· A neurotoxicidade parece estar relacionada com a dose. Deve-se ter cuidado extremo no
cálculo e administração da dose de Oncovin® (sulfato de vincristina), uma vez que a
superdosagem pode levar a acidentes muito graves ou fatais;
· Este medicamento é somente para USO INTRAVENOSO DIRETO;
· Freqüentemente os hospitais reconstituem produtos injetáveis utilizando agulhas 40×12, que
aumentam a incidência de pequenos fragmentos de rolha serem levados para dentro do frasco
durante o procedimento. Agulhas 30×8 ou 25×8, embora dificultem o processo de reconstituição,
têm menor probabilidade de carregarem partículas de rolhas para dentro dos frascos. Deve-se, no
entanto, sempre inspecionar visualmente os produtos antes da administração, descartando-os se
contiverem partículas.

Informação especial de dispensação:
Quando dispensar Oncovin® (sulfato de vincristina) em outro recipiente que não o original, é
imperativo que o mesmo seja embalado e rotulado com os seguintes dizeres: “NÃO
REMOVA A EMBALAGEM ATÉ O MOMENTO DA INJEÇÃO. A ADMINISTRAÇÃO
INTRATECAL É FATAL. SOMENTE PARA USO INTRAVENOSO” (ver ADVERTÊNCIAS).
Uma seringa contendo uma dose específica deve ser rotulada com um rótulo adesivo, com a
seguinte frase: “A ADMINISTRAÇÃO INTRATECAL É FATAL. SOMENTE PARA USO
INTRAVENOSO”.

ONCOVIN® 1 mg

VIA INTRAVENOSA DIRETA

ADULTOS
Reconstituição:
Diluente: Solução bacteriostática (conservante: Álcool Benzílico)* Volume: 10 mL.
* diluente que acompanha o produto.
ATENÇÃO
· Depois de reconstituído cada mL da solução corresponde a 0,1 mg de sulfato de
vincristina;
· NÃO UTILIZAR ESTE DILUENTE EM RECÉM-NASCIDOS. O álcool benzilíco está
associado a reações graves de neurotoxicidade em recém-nascidos.
Aparência da solução reconstituída: Incolor.
Estabilidade após reconstituição com Solução Bacteriostática:
Sob refrigeração (2º a 8ºC): 14 dias, protegido de luz.
Tempo de Injeção: 1 minuto.

RECÉM-NASCIDOS
Reconstituição:
Diluente: Cloreto de Sódio 0,9%** ou Água Estéril para Injeção** Volume: 10 mL.
** estes diluentes não acompanham o produto.


ATENÇÃO
· Depois de reconstituído cada mL da solução corresponde a 0,1 mg de sulfato de
vincristina.
Aparência da solução reconstituída: Incolor.
Estabilidade após reconstituição com Solução Bacteriostática:
Sob refrigeração (2º a 8ºC): 14 dias, protegido de luz.
Estabilidade após reconstituição com Cloreto de Sódio 0,9% ou Água Estéril para
Injeção:
Não armazenar, deve ser utilizado imediatamente.
Tempo de Injeção: 1 minuto.

Informação sobre a administração:
Oncovin® (sulfato de vincristina) deve ser administrado somente por via intravenosa e por
pessoas experientes na administração de medicamentos antineoplásicos. O produto é
vesicante.
Oncovin® (sulfato de vincristina) deve ser administrado diretamente na veia, por via
desobstruída, com fluxo livre para a agulha ou o cateter, que devem estar posicionados
adequadamente antes da aplicação do sulfato de vincristina. Para minimizar a possibilidade
de extravasamento, sugere-se que um pouco do sangue venoso seja passado para a agulha
e seringa antes da retirada da agulha.
Extravasamento:
Se ocorrer extravasamento de Oncovin® (sulfato de vincristina) no tecido circundante, pode
ocorrer irritação considerável. Nesse caso a injeção deve ser descontinuada imediatamente
e qualquer porção restante da dose deve ser introduzida em outra veia.
Procedimento em caso de extravasamento:
A aplicação de injeção local de hialuronidase e calor moderado na área de vazamento
ajudam a dispersar a droga, diminuindo o desconforto e a possibilidade de celulite.
ATENÇÃO
A ADMINISTRAÇÃO INTRATECAL É FATAL. SOMENTE PARA USO INTRAVENOSO.
Oncovin® (sulfato de vincristina) não deve ser usado em pacientes submetidos a radioterapia,
através de vias que incluem o fígado. Quando usado em combinação com a enzima L-
asparaginase, Oncovin® (sulfato de vincristina) deve ser administrado 12 a 24 horas antes da
enzima, para diminuir a toxicidade. Se a enzima for administrada antes de Oncovin® (sulfato
de vincristina) pode ocorrer diminuição do clearance hepático do Oncovin® (sulfato de
vincristina), levando à toxicidade.
POSOLOGIA

ADULTOS
As doses usuais, via intravenosa direta, são:
0,01 a 0,03 mg por Kg de peso, como dose única a cada 7 dias; ou
0,4 a 1,4 mg/m² de superfície corporal, como dose única a cada 7 dias
Adultos com bilirrubina acima de 3 mg/mL: as doses devem ter redução de 50%.
CRIANÇAS
Crianças com peso acima de 10 Kg: 1,5 a 2 mg/m² superfície corporal, como dose única a
cada 7 dias.
Crianças com 10 Kg ou menos: 0,05 mg por kg de peso, como dose única a cada 7 dias.
Crianças com bilirrubina acima de 3 mg/mL: as doses devem ter redução de 50%.
IDOSOS
Parecem mais propensos aos efeitos neurotóxicos do produto.

ADVERTÊNCIAS
A administração intratecal de Oncovin® (sulfato de vincristina) geralmente resulta em morte.
Se ocorrer administração intratecal acidental, deve-se fazer intervenção neurocirúrgica
imediata para prevenir paralisia ascendente que leva à morte. Em pequeno número de
pacientes, paralisia com risco de vida, e morte subseqüente foram evitadas, mas resultaram
em seqüelas neurológicas devastadoras, com recuperação limitada posteriormente.


Se este medicamento for administrado erroneamente através da via intratecal, o tratamento
a seguir deve ser feito imediatamente:
1) Remover o máximo possível do líquido cefalorraquiano, de forma segura, através de
punção lombar.
2) Inserção de um cateter epidural no espaço sub-aracnóide, via espaço intervertebral acima
da punção lombar, e irrigação do líquido cefalorraquiano com Solução de Ringer Lactato. Se
possível, adicionar 25 mL de plasma fresco congelado a cada litro de Solução de Ringer
Lactato.
3) Inserção de um dreno intraventricular, ou cateter, por neurocirurgião e continuação da
irrigação do líquido cefalorraquiano com fluído removido da punção lombar, conectado a um
sistema fechado de drenagem. A Solução de Ringer Lactato deve ser administrada através
de infusão contínua a 150 mL/h ou a 75 mL/h quando o plasma fresco congelado for
adicionado como acima mencionado.
A taxa de infusão deve ser ajustada para manter o nível de proteína no líquido
cefalorraquidiano em 150 mg/dL.
As seguintes medidas têm sido usadas em adição, mas podem não ser essenciais:
· Administração de 10 g de ácido glutâmico, via intravenosa, por 24 horas, seguidos por
500 mg, três vezes ao dia, via oral, por um mês;
· Administração de 100 mg de ácido folínico por via intravenosa direta, seguido de infusão
intravenosa a 25 mg/h por 24 horas e depois administrar doses de 25 mg, via
intravenosa direta, a cada 6 horas por uma semana;
· Administração de 50 mg de piridoxina (vitamina B6) a cada 8 horas, por infusão
intravenosa por 30 minutos.
A utilidade dessas medidas na redução da neurotoxicidade não é clara.

USO PEDIÁTRICO
ATENÇÃO
Se o medicamento for reconstituído com o diluente que acompanha o produto (solução
bacteriostática), ele não pode ser administrado em recém-nascidos. Diluentes contendo álcool
benzílico não são recomendados para preparação de medicamento para uso em neonatos,
pois acidose metabólica, depressão do sistema nervoso central, problemas respiratórios,
insuficiência renal, hipotensão, possíveis convulsões e hemorragias intracranianas têm sido
associado a seu uso.
Para recém-nascidos, reconstituir o produto com 10 mL de Água Estéril para Injeção ou
Cloreto de Sódio 0,9%.
PRECAUÇÕES
GERAIS
Nefropatia úrica aguda foi relatada com o uso de sulfato de vincristina.
Na presença de leucopenia ou de uma infecção complicada, deve-se tomar cuidado na
administração de uma próxima dose.
Se for diagnosticada leucemia no sistema nervoso central, agentes adicionais devem ser
utilizados porque o sulfato de vincristina não parece penetrar na barreira hematoencefálica em
quantidades adequadas.
Particular atenção deve ser dada à posologia e às reações adversas neurológicas em
pacientes com doença neuromuscular pré-existente e quando outras drogas com potencial
neurotóxico também estão sendo usadas.
Dispnéia aguda e broncoespasmo grave têm sido relatados após a administração de
alcalóides da vinca. Essas reações têm ocorrido mais freqüentemente quando o alcalóide da
vinca foi usado em combinação com a mitomicina-C e pode requerer tratamento agressivo
particularmente se houver disfunção pulmonar pré-existente. O início da reação pode ser
dentro de minutos ou várias horas após o alcalóide da vinca ter sido injetado e pode ocorrer
até duas semanas após a dose de mitomicina-C. Pode ocorrer dispnéia progressiva. Sulfato
de vincristina não deve ser readministrado.
Deve-se tomar cuidado para evitar a contaminação dos olhos com sulfato de vincristina. Se
ocorrer contaminação acidental, pode ocorrer irritação grave (se a droga for liberada sob
pressão pode resultar até em ulceração da córnea). O olho deve ser lavado imediatamente
com água.

TESTES DE LABORATÓRIO
Como a toxicidade clínica é dependente da dose e manifesta-se através de neurotoxicidade,
avaliações clínicas (histórico, exames físicos) são necessárias para detectar a necessidade de
alterações na dosagem.
Após a administração de sulfato de vincristina, alguns pacientes podem apresentar queda na
contagem de leucócitos ou de plaquetas, particularmente quando a terapia anterior ou a
própria doença reduzirem a função da medula óssea. Portanto, um hemograma completo
deve ser realizado antes da administração de cada dose. Também pode ocorrer elevação
aguda do ácido úrico durante a indução de remissão na leucemia aguda, assim, tais níveis
devem ser determinados freqüentemente durante as primeiras 3 ou 4 semanas de tratamento,
ou medidas apropriadas para prevenir a nefropatia úrica devem ser tomadas.
CARCINOGÊNESE E MUTAGÊNESE
Tumores são efeitos secundários de muitos agentes antineoplásicos, mas não se sabe ao
certo se é devido ao efeito mutagênico da droga ou a ação imunossupressora.
Os efeitos da dose e duração da terapia sobre a carcinogênese/mutagênese também são
desconhecidos, apesar do risco aumentar com o uso prolongado.
Pacientes que receberam quimioterapia com sulfato de vincristina, em associação com drogas
antineoplásicas conhecidas por sua carcinogenicidade, desenvolveram tumores secundários.
Não houve evidências de carcinogenicidade após a administração intraperitonial de sulfato de
vincristina em camundongos e ratos, embora esse estudo seja limitado.
DANOS À FERTILIDADE
Fertilidade após o tratamento isolado com sulfato de vincristina não foi estudada em humanos.
Supressão gonadal, resultando em amenorréia ou azoospermia, tem ocorrido em pacientes
recebendo sulfato de vincristina. Geralmente, esses efeitos parecem estar relacionados com o
período e a dose do tratamento e podem ser irreversíveis. Predições da diminuição da função
dos testículos e ovários são complicadas devido à utilização de diversos agentes
antineoplásicos em um tratamento.
USO NA GRAVIDEZ ­ Risco D (segundo classificação do FDA).
Não existem estudos bem controlados e adequados em mulheres grávidas. Se o sulfato de
vincristina for usado durante a gravidez ou se a paciente engravidar enquanto estiver usando
o produto, ela deve ser alertada do risco potencial para o feto. Mulheres com capacidade
reprodutiva devem ser aconselhadas a evitar a gravidez.
Quando camundongos e hamsters, durante a gravidez, receberam doses de sulfato de
vincristina, houve reabsorção em 23 a 85% dos fetos e malformações fetais ocorreram
naqueles que sobreviveram.
Cinco macacas receberam doses únicas de sulfato de vincristina entre os dias 27 e 34 de sua
gravidez, 3 dos fetos tiveram desenvolvimento normal e 2 fetos apresentaram evidências
grosseiras de malformações. Em diversas espécies animais as doses de sulfato de vincristina
que não são tóxicas para o animal grávido podem induzir efeitos teratogênicos, como também
a morte do embrião.
MÃES LACTANTES
Não é conhecido se a droga é excretada no leite humano. Como muitas drogas são
excretadas no leite humano, e devido ao potencial de graves efeitos adversos em lactentes,
deve-se descontinuar a amamentação.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Este medicamento interage com os seguintes medicamentos e/ou pode:
· Aumentar as taxas de ácido úrico, sendo necessário ajuste de doses de: alopurinol,
colchicina, probenecida e sulfimpirazona;
· Diminuir a ação de digoxina e a resposta à vacina de vírus mortos;
· Ter efeitos aditivos depressores da medula óssea com: outros depressores da medula
óssea, terapia radioativa;
· Ter efeito neurotóxico aditivo com: L-asparaginase, outros medicamentos neurotóxicos,
radioterapia da medula espinhal;
· Sofrer ou provocar aumento das reações adversas com: doxorrubicina, mitomicina-C,
vacinas de vírus vivos.
Deve-se ter cautela com pacientes usando drogas conhecidamente inibidoras do citocromo
P450, sub-família CYP 3A, ou pacientes com disfunção hepática. Administração concomitante
de sulfato de vincristina com um inibidor desta via metabólica pode causar uma antecipação


do início de ação ou um aumento da gravidade das reações adversas do agente
antineoplásico (ver REAÇÕES ADVERSAS).
A administração concomitante de sulfato de vincristina e itraconazol causou início prematuro
e/ou aumento da gravidade dos efeitos adversos neuromusculares (ver REAÇÕES
ADVERSAS). Presume-se que esta interação iniba o metabolismo da vincristina.
A fenitoína, administrada simultaneamente com combinações quimioterápicas de
antineoplásicos que incluem sulfato de vincristina, parece aumentar a freqüência e a
intensidade de convulsões. O ajuste da dose pode ser necessário e deve ser baseado na
monitoração do nível sanguíneo. A contribuição do sulfato de vincristina para essa interação
com a fenitoína não é compreendida, mas pode estar relacionada a uma diminuição da
absorção de fenitoína e a um aumento de sua metabolização e eliminação.
REAÇÕES ADVERSAS
Antes de usar a droga, os pacientes e/ou seus familiares devem ser alertados quanto à
possibilidade de sintomas indesejáveis.
Em geral, reações adversas são reversíveis e relacionadas às doses. A reação adversa mais
comum é a perda de cabelo e o efeito adverso mais grave são distúrbios neuromusculares.
Leucopenia, dor neurítica e constipação podem ocorrer, mas normalmente são de curta
duração (menos de 7 dias). Quando a dose é reduzida, essas reações podem diminuir ou
desaparecer, e quando a droga é administrada em doses divididas, a gravidade parece
aumentar. Outras reações adversas, como perda de cabelo, perda da sensibilidade,
parestesia, dificuldade de andar, marcha insegura, perda dos reflexos tendinosos profundos e
de massa muscular, podem persistir pelo menos enquanto durar a terapia. Disfunção sensorial
generalizada pode se tornar mais grave com a continuação do tratamento.
Embora muitos sintomas desapareçam por volta da sexta semana após a descontinuação do
tratamento, algumas dificuldades neuromusculares podem permanecer por períodos
prolongados. O crescimento do cabelo pode voltar a ocorrer durante a terapia de manutenção.
As seguintes reações adversas foram relatadas:
Hipersensibilidade – Raros casos de reações alérgicas, como anafilaxia, erupção e edema,
relacionados a pacientes que receberam vincristina como parte da poliquimioterapia.
Gastrintestinais - Constipação, cólicas abdominais, perda de peso, náuseas, vômitos,
estomatite, diarréia, íleo paralítico, necrose ou perfuração intestinal e anorexia.
Constipação pode tomar forma de bloqueio do colo ascendente e, em exame físico, o reto
pode estar vazio. A dor da cólica abdominal com o reto vazio, pode confundir o médico. Uma
radiografia simples do abdome é útil para demonstrar esta condição. Todos os casos
responderam ao tratamento com laxativos e enemas. A profilaxia para a constipação é
recomendada a todos os pacientes que fazem uso de Oncovin® (sulfato de vincristina).
Íleo paralítico (simulando “abdome cirúrgico”), pode ocorrer, particularmente em pacientes
pediátricos, e será revertido com a descontinuação do sulfato de vincristina e com tratamento
sintomático.
Gênito-urinárias - Poliúria, disúria e retenção urinária devido à atonia da bexiga. Outras
drogas conhecidas por causarem retenção urinária (particularmente em idosos) devem, se
possível, serem descontinuadas nos primeiros dias após a administração de sulfato de
vincristina.
Cardiovasculares - Hipertensão e hipotensão têm ocorrido. Quimioterapia que inclui o sulfato
de vincristina, quando administrada a pacientes previamente tratados com radioterapia do
mediastino, tem sido associada a doenças coronárias e infarto do miocárdio. A causalidade
não foi estabelecida.
Neurológicas - Freqüentemente, há uma seqüência para o desenvolvimento dos efeitos
adversos neuromusculares. Inicialmente podem ser relatadas perda sensorial e parestesia.
Com a continuação do tratamento podem ocorrer dor neurítica e dificuldades motoras. Não há
relatos de qualquer agente que possa reverter as manifestações neurológicas que
acompanham o uso de terapia com sulfato de vincristina.
Com a administração contínua, tem sido relatados perda dos reflexos tendinosos profundos,
pé caído, ataxia e paralisia.
Podem ocorrer manifestações dos nervos cranianos, incluindo paresia isolada e/ou paralisia
dos músculos controlados pelos nervos cranianos motores, na ausência de distúrbio motor.
Músculos extra-oculares e laríngeos são os mais comumente envolvidos.
Têm sido relatadas dores no maxilar, na faringe, nas glândulas parótidas, nos ossos, nas
costas, nos membros inferiores e nos músculos, podendo ser graves.


Convulsões, freqüentemente associadas à hipertensão, têm sido relatadas em poucos
pacientes que receberam sulfato de vincristina. Alguns casos de convulsão seguida de coma
foram reportados em crianças que utilizaram sulfato de vincristina.
Foram reportados casos de cegueira cortical transitória e atrofia óptica com cegueira.
Tratamento com alcalóides da vinca podem raramente resultar em danos vestibulares e de
audição por agressão ao oitavo nervo craniano. Manifestações incluem surdez parcial ou total,
que pode ser temporária ou permanente, e dificuldades no equilíbrio, incluindo tontura,
nistagmo e vertigem. Deve-se ter cuidado especial ao combinar sulfato de vincristina a outros
agentes conhecidos por sua ototoxicidade, como os oncolíticos contendo platina.
Pulmonares - Dispnéia aguda e broncoespasmo grave foram mais freqüentes quando o
sulfato de vincristina foi usado em combinação com a mitomicina-C (ver PRECAUÇÕES).
Endócrinas - Raras ocorrências de uma síndrome atribuída à secreção inadequada de
hormônio antidiurético têm sido observadas em pacientes tratados com sulfato de vincristina.
Esta síndrome é caracterizada por uma alta excreção de sódio na urina, na presença de
hiponatremia, e na ausência de: doença renal ou adrenal, hipotensão, desidratação, azotemia
e edema clínico. Com a restrição hídrica, ocorre melhora na hiponatremia e na perda renal de
sódio.
Hematológicas ­ Sulfato de vincristina não parece ter nenhum efeito significante nas
plaquetas ou hemácias. Depressão grave da medula óssea não é o principal fator limitante de
dose. Contudo, anemia, leucopenia e trombocitopenia foram reportados. Trombocitopenia, se
presente no início de terapia com sulfato de vincristina, pode até mesmo melhorar antes do
aparecimento de remissão medular.
Pele - Alopecia e erupções.
Outras – Febre e dor de cabeça.
SUPERDOSAGEM
Os efeitos adversos seguidos ao uso de sulfato de vincristina estão relacionados à dose.
Adultos podem apresentar sintomas graves após única dose de 3 mg/m2 de superfície
corporal ou mais (ver REAÇÕES ADVERSAS). Em crianças podem ocorrer sintomas graves
após doses de 3 a 4 mg/m2 de superfície corporal. Ocorreram mortes devido à administração
de doses de sulfato de vincristina 10 vezes maiores do que a recomendada em crianças
menores de 13 anos.
Como a eliminação do sulfato de vincristina é efetuada principalmente pela via hepática pode
ocorrer aumento da gravidade dos efeitos adversos em pacientes com doença hepática grave,
uma vez que há diminuição da excreção biliar.
O tratamento de suporte deve incluir:
1) Prevenção das reações adversas que resultarem da síndrome de secreção aumentada do
hormônio antidiurético (isso incluiria restrição do volume diário de líquido ingerido, e talvez a
administração de um diurético atuante sobre a alça de Henle e o túbulo distal).
2) Administração de um anticonvulsivante.
3) Uso de enemas ou catárticos para prevenir íleo paralítico (em alguns casos, a
decompressão do trato gastrintestinal pode ser necessária).
4) Monitoramento do sistema cardiovascular.
5) Determinação diária do hemograma para orientação em relação à necessidade de
transfusão de sangue.
Foi observado efeito protetor do ácido folínico em camundongos normais que foram
submetidos a doses letais de sulfato de vincristina. Casos isolados reportados sugeriram que
o ácido folínico pode ser útil para o tratamento em humanos que receberam superdosagem de
sulfato de vincristina. São sugeridos 100 mg de ácido folínico, administrado por via
intravenosa a cada 3 horas por 24 horas e depois a cada 6 horas, por pelo menos 48 horas.
Teoricamente (com base nos dados farmacocinéticos), níveis teciduais de sulfato de
vincristina são previstos de permanecerem altos por no mínimo 72 horas. Tratamento com
ácido folínico não elimina a necessidade das medidas de suporte acima mencionadas.
Em casos de superdosagem, uma vez que apenas pequenas quantidades da droga aparecem
no líquido dialisado, a hemodiálise não é útil.
O aumento da excreção fecal de vincristina foi demonstrado em cães pré-tratados com
colestiramina, porém não há dados clínicos publicados sobre o uso de colestiramina como
antídoto humano.


Não há dados clínicos publicados sobre as conseqüências da ingestão oral de vincristina. Se
ocorrer ingestão oral pode ser administrado oralmente carvão ativado e catártico.

ARMAZENAGEM
Antes de aberto, este medicamento deve ser armazenado em geladeira (2 a 8ºC) e protegido
da luz.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:
1. Dyke. Treatment of inadvertent intrathecal injection of vincristine. N Engl J Med, 1989, 321:
1270-71.
2. Michelagnoli MP, Bailey CC, Wilson L, Livingston J, Kinsey SB. Potential salvage therapy
for inadvertent intrathecal administration of vincristine. Br. J. Haematology, 1997, 99: 364-367.
(Mfr. Control No. GB97113451A)
3. Zaragoza MR, Ritchey ML, Walter A. Neurologic consequences of accidental intrathecal
vincristina: A case report. Med. Pediatr. Oncol., 1995, 24(1):61-62.
4. Recommendations for the Safe Handling of Parenteral Antineoplasic Drugs, NIH
Publication No. 83-2621. For sale by the Superintendent of Documents, U.S. Government
Printing Office, Washington, DC 20402.
5. AMA Council Report, Guidelines for Handling Parenteral Antineoplastics. JAMA, 1985;
253(11):1590-1592.
6. National Study Commission on Cytotoxic Exposure – Recommendations for Handling
Cytotoxic Agents. Available from Louis P. Jeffrey, ScD., Chairman, National Study Commission
on Cytotoxic Exposure, Massachusetts College of Pharmacy and Allied Health Sciences, 179
Longwood Avenue, Boston, Massachusetts 02115.
7. Clinical Oncological Society of Australia, Guidelines and Recommendations for Safe
Handling Of Antineoplastic Agents. Med J Australia, 1983;1;426-428.
8. Jones RB, et al: Safe Handling of Chemotherapeutic Agents: A Report from the Mount
Sinai Medical Center. CA-A Cancer Journal for Clinicians, 1983; (Sept/Oct) 258-263.
9. American Society of Hospital Pharmacists Technical Assistance Bulletin on Handling
Cytotoxic and Hazardous Drugs. Am J Hosp Pharm, 1990;47:1033-1049.
10. OSHA Work-Practice Guidelines for Personnel Dealing with Cytotoxic (Antineoplasic)
Drugs. Am J Hosp Pharm, 1986;43:1193-1204.
11. Physicians’ Desk Reference, 55 Edition, 2001, Thomson PDR at Montvale, NJ 07645-1742
12. Drug Information for the Health Care Professional ­ USP DI, 27th Edition, 2007,
Thomson ­ Micromedex.
REGISTRO MS No 1.5562.0017
Farm. Resp.: Márcia A. Takano – CRF-SP No 21.373
Fabricação, Validade e Número do lote, Vide cartucho e rótulo.
Fabricado por:
Gedeon Richter Ltd. ­ Budapest
Gyömrói út 19-21 ­ H-1103, Hungria
Importado por:
ANTIBIÓTICOS DO BRASIL LTDA.
Rod. Gal. Milton Tavares de Souza, SP- 332, Km 135 – Cosmópolis – SP
CNPJ 05.439.635/0001-03
Indústria Brasileira.
SAC 0800 7015456

VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Revisão: Setembro/2008


Mais Bulas de Medicamentos


3.302 Comentários

  1. Marina One disse:

    Title…

    [...]Wonderful story, reckoned we could combine a few unrelated information, nevertheless genuinely worth taking a search, whoa did one understand about Mid East has got a lot more problerms at the same time [...]…

  2. Title…

    [...]the time to study or pay a visit to the material or sites we have linked to beneath the[...]…

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>