FURP-RIFAMPICINA 300 mg Cápsula
FURP-RIFAMPICINA 20 mg/ml Suspensão Oral
PARTE I ­ IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO
FURP-RIFAMPICINA
rifampicina
FORMAS FARMACÊUTICAS E APRESENTAÇÕES
Cápsula gelatinosa dura
Caixa com 500 cápsulas – embalagem com 10 cápsulas de 300 mg
Suspensão oral
Caixa com 50 frascos ­ frascos com 50 ml de suspensão oral na concentração de 20 mg/
ml
Uso oral
USO PEDIÁTRICO OU ADULTO
Composição:
Cada cápsula contém:
rifampicina ………………………………………………………………… 300 mg
Excipientes qsp ………………………………………………………….. 1 cápsula
(croscarmelose sódica; estearato de magnésio; talco)
Cada ml da suspensão oral contém:
rifampicina …………………………………………………………………… 20 mg
Veículo qsp …………………………………………………………………… 1 ml
(sacarose; ácido cítrico anidro; goma adraganta; fosfato de sódio dibásico; metabissulfito de
sódio; metilparabeno; propilparabeno; simeticona; essência de cereja; água deionizada)
PARTE II ­ INFORMAÇÕES AO PACIENTE
COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?
FURP-RIFAMPICINA 300 mg Cápsula e FURP-RIFAMPICINA 20 mg/ml Suspensão Oral
contém rifampicina que é um antibiótico que age inibindo a multiplicação de bactérias
sensíveis a este medicamento. Embora tenha ação contra diversas bactérias, sua utilização é
quase exclusiva para o tratamento da hanseníase (Mycobacterium leprae) e da tuberculose
(Mycobacterium tuberculosis), sempre em associação com outros antibióticos adequados,
pois é muito rápido o desenvolvimento de resistência bacteriana (o antibiótico não consegue
mais agir sobre estas bactérias). Mesmo que possa haver melhora nos primeiros dias de
uso, o tratamento deve ser mantido nos intervalos e na duração recomendada pelo médico
para não permitir a falha na recuperação.
POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?
A rifampicina é indicada no tratamento das diversas formas de tuberculose e de hanseníase
causadas por microrganismos sensíveis, sempre em associação com outros antibióticos. A
rifampicina também está indicada na prevenção em indivíduos que tiveram contato íntimo
com pacientes com doença meningocócica (meningite).
QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?


CONTRA-INDICAÇÕES
Não deve ser utilizada em pacientes com antecedentes de alergia à rifampicina ou a outros
medicamentos do grupo das rifampicinas ou a qualquer outro componente do produto.
Alguns pacientes que apresentam doenças graves de fígado ou rins não podem utilizar
rifampicina, cabe ao seu médico avaliar o risco-benefício. Uso concomitante com
contraceptivos orais ou fármacos hepatotóxicos.
PRECAUÇÕES E ADVERTÊNCIAS
Não deve ser utilizada sozinha para o tratamento da tuberculose e hanseníase.
O uso de rifampicina pode provocar uma coloração avermelhada da urina, saliva, lágrimas e
de lentes de contato gelatinosas, sendo que estas últimas podem se manchar em caráter
definitivo.
Em alguns pacientes pode ocorrer aumento da bilirrubina e de outras substâncias no sangue
que podem ser transitórias sem exigir término do tratamento, o médico irá avaliar cada
caso.
Alguns pacientes que apresentam doenças graves de fígado ou rins não podem utilizar
rifampicina, cabe ao seu médico avaliar.
Evitar uso de bebidas alcóolicas durante o tratamento.
ATEN ÇÃO: e st e m e dica m e n t o n a a pr e se n t a çã o su spe n sã o or a l con t é m a çú ca r ,
portanto deve ser usado com cautela em portadores de diabetes.
I n for m e im e dia t a m e n t e se u m é dico a ocor r ê n cia de gr a v ide z du r a n t e o t r a t a m e n t o
ou após o seu término. Informe ao médico se está amamentando.
USO NA GRAVIDEZ
Não existem estudos bem controlados sobre o uso de rifampicina na gravidez. Este
medicamento atravessa a barreira placentária, portanto não deve ser utilizada, a menos
que, a critério médico e os benefícios para a mão superem os possíveis riscos para o feto.
USO NA AMAMENTAÇÃO
Não existem estudos bem controlados sobre o uso de rifampicina na amamentação. Este
medicamento passa para o leite materno, portanto não deve ser utilizada, a menos que, a
critério médico e os benefícios para a mãe superem os possíveis riscos para o recém-
nascido.
USO EM OUTROS GRUPOS DE RISCO
O uso deve ser cauteloso em pacientes com problemas no fígado e rins, pois apresentam
maior risco de feitos tóxicos. Nestes casos, o tratamento somente deve ser empregado em
caso de real necessidade e sob supervisão médica.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Os antiácidos e o cetoconazol reduzem a absorção da rifampicina, portanto devem ser
tomados em horários separados, pelo menos, por duas horas.
Vários medicamentos têm sua ação diminuída pelo uso concomitante com a rifampicina. São
eles: diazepam, quinidina, disopiramida, cloranfenicol, dapsona, cumarinas, varfarina (reduz
o efeito anticoagulante), imipramina, clomipramina, carbamazepina, fenitoína, (dificulta o
controle da epilepsia) fluconazol, itraconazol, cetoconazol, haloperidol, (evitar o uso
concomitante). propranolol, diltiazem, nifedipino, verapamil, isradipino, nisoldipino,
ciclosporina, azatioprina (uso com rifampicina possivelmente leva à rejeição de
transplantes), corticosteróides (prednisona), levotiroxina, tacrolimus, teofilina, metadona,
digoxina, paracetamol, clofibrato, levotipoxina, amitriptilina e nortriptilina.
Estrogênios combinados a progestogênios ou progestogênios: se reduz o efeito
contraceptivo, exigindo a utilização de outros métodos para evitar a gravidez.


O uso de anti-retrovirais, como indinavir, nelfinavir, saquinavir, efavirenz e nevirapina, com
rifampicina pode aumentar o risco de reações. O uso associado de rifampicina com ritonavir
e saquinavir apresenta elevado risco de causar efeitos tóxicos no fígado.
A redução no efeito de clorpropramida, tolbutamida e, possivelmente, outros antidiabéticos
orais pode dificultar o controle da doença.
Álcool: o consumo diário de álcool pode aumentar o risco de efeitos tóxicos e do
metabolismo da rifampicina.
O uso concomitante da rifampicina com o trimetoprim pode aumentar a eliminação deste
prejudicando a eficácia. O emprego junto com o miconazol pode aumentar o risco de lesão
no fígado.
INTERFERÊNCIA EM EXAMES LABORATORIAIS
As concentrações plasmáticas de ALT. AST, fosfatase alcalina, bilirrubina, uréia e ácido úrico
(são exames de sangue) podem estar aumentadas.
INTERAÇÕES COM ALIMENTOS E CHÁS
A absorção da rifampicina é diminuída quando tomada junto com alimentos.
A erva-de-São João pode diminuir a ação de rifampicina. Evite tomá-la durante o
tratamento.
ESTE MEDICAMENTO NÃO DEVE SER UTILIZADO POR MULHERES GRÁVIDAS OU
AMAMENTANDO SEM A ORIENTAÇÃO DO MÉDICO OU CIRURGIÃO-DENTISTA.
NÃO HÁ CONTRA-INDICAÇÃO RELATIVA A FAIXAS ETÁRIAS.
INFORME AO MÉDICO OU CIRURGIÃO-DENTISTA O APARECIMENTO DE REAÇÕES
INDESEJÁVEIS.
INFORME AO SEU MÉDICO OU CIRURGIÃO-DENTISTA SE VOCÊ ESTÁ FAZENDO USO DE
ALGUM OUTRO MEDICAMENTO.
NÃO USE MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO
PARA A SUA SAÚDE.
COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
FURP-RIFAMPICINA 300 mg Cápsula
Aspecto físico
Cápsula vermelho cereja, contendo pó vermelho amarronzado
Características organolépticas
Cápsulas sem odor ou sabor
FURP-RIFAMPICINA 20 mg/ml Suspensão Oral
Aspecto físico
Suspensão homogênea de cor vermelho escuro
Características organolépticas
Suspensão com sabor adocicado e cheiro de cereja
CUIDADOS DE ADMINISTRAÇÃO
Tanto as cápsulas como a suspensão, devem ser tomadas com o estômago vazio,
preferencialmente uma hora antes ou duas após as refeições. Em caso de desconforto
digestivo, recomenda-se administrar junto com uma leve refeição.
O frasco da suspensão sempre deve ser agitado antes de usar, e após a abertura deve ser
mantido bem fechado. As cápsulas deste medicamento não podem ser partidas ou
mastigadas.


Conservar as cápsulas em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), proteger da luz e
umidade.
Conservar a suspensão oral em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), proteger da luz.
Após aberto conservar o frasco bem fechado na mesma condição.
DOSAGEM
Deve-se observar o Manual de Normas para o Controle de Tuberculose, 4ª edição modificada
e revisada, da Fundação Nacional de Saúde do Ministério da Saúde (1995) ou edição
subsequente.
Tratamento da tuberculose pulmonar e extrapulmonar:
- Pacientes com peso inferior a 20 kg: 10 mg/kg de peso corporal ao dia (criança de 10 kg
de peso, por exemplo, receberá 5 ml da suspensão oral)
- Pacientes com mais de 20 kg de peso até 35 kg: 300 mg/dia (uma cápsula de 300 mg ou
15 ml da suspensão oral).
- Pacientes com mais de 35 kg de peso até 45 kg: 450 mg/dia (uma cápsula de 300 mg e
também 7,5 ml da suspensão oral).
- Pacientes com mais de 45 kg de peso: 600 mg/dia (duas cápsulas de 300 mg).
A duração do tratamento é de seis meses, sempre em associação com outros medicamentos
para o tratamento da tuberculose.
Para tuberculose meningoencefálica as doses de rifampicina seguem o mesmo esquema
exposto acima mas tem duração de 9 meses.
Para a prevenção de doença meningocócica (meningite não tuberculosa), a dose é igual a
citada para meningite tuberculosa, durante apenas dois dias. Os recém-nascidos formam
uma exceção porque devem receber 5 mg/kg de peso corporal, duas vezes ao dia, durante
dois dias.
Hanseníase: dose mensal de 600 mg (duas cápsulas) para adultos, sempre sob forma
combinada. Pacientes adultos com menos de 35 kg de peso devem receber doses mensais
de 450 mg. Crianças podem receber doses equivalentes a 10 mg/kg, desde que não
ultrapassem as doses mencionadas acima.
De preferência, o medicamento deve ser tomado uma hora antes ou duas após as refeições.
Cada ml da solução contém 20 mg de rifampicina.
SIGA A ORIENTAÇÃO DE SEU MÉDICO, RESPEITANDO SEMPRE OS HORÁRIOS, AS DOSES E
A DURAÇÃO DO TRATAMENTO.
NÃO INTERROMPA O TRATAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO.
NÃO USE O MEDICAMENTO COM O PRAZO DE VALIDADE VENCIDO. ANTES DE USAR,
OBSERVE O ASPECTO DO MEDICAMENTO.
AS CÁPSULAS NÃO PODEM SER PARTIDAS OU MASTIGADAS.
QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?
As mais comuns são: perda de apetite, náuseas, vômitos e diarréia. Pode ocorrer colite
(inflamação intestinal) associada ao uso do antibiótico. Também pode ocorrer alterações na
pele (vermelhidão facial, urticária e erupções), pancreatite (inflamação no pâncreas),
icterícia (amarelamento da pele e/ou olhos), insuficiência do fígado (problema no fígado),


presença de pontos ou manchas avermelhadas na pele, sangramento do nariz ou gengiva,
sangramento vaginal, anemia por destruição dos glóbulos vermelhos do sangue, sintomas
de gripe (como febre, fraqueza, dor de cabeça, tremores e dor muscular) e problemas
graves nos rins, com perda do órgão e choque, distúrbios do sistema nervoso central
(confusão mental, distúrbios de coordenação motora, alterações visuais transitórias), neurite
periférica (inflamação dos nervos periféricos) e trombose venosa (formação de coágulos no
interior das veias). Podem surgir ainda coloração avermelhada e marrom da urina, fezes,
saliva, suor e lágrimas. Outras reações incluem calafrios, respiração ofegante, tontura, dores
musculares, tremores e hematúria.
O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UM A GRAN D E QUAN TI D AD E D ESTE M ED I CAM EN TO
DE UMA SÓ VEZ?
O uso de grandes doses de rifampicina pode provocar coloração da pele em tom vermelho
alaranjado, inchaço ao redor dos olhos ou na face, coceira e náuseas, vômitos, diarréia e
outras manifestações como as descritas no item anterior.
Procure auxílio médico de urgência. Se possível, leve o produto e/ou embalagem ao local de
atendimento.
ONDE E COMO DEVO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
Conserve as cápsulas em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegidas da luz e
umidade.
Conserve a suspensão oral em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegida da luz.
Após aberto, conserve o frasco bem fechado na mesma condição.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
PARTE III ­ INFORMAÇÕES TÉCNICAS AOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE
CARACTERÍSTICAS FARMACOLÓGICAS
A rifampicina é um antibiótico macrocíclico semi-sintético derivado da rifampicina B.
FARMACOCÍNÉTICA
Absorção
É bem absorvida pelo trato gastrintestinal mas esta absorção se reduz quando é
administrada com alimentos.
Depois de completamente absorvida níveis plasmáticos médios são obtidos dentro e 1 e 4
horas. Liga-se em 80% às proteínas e é muito solúvel em lipídios.
Distribuição: Difunde-se nos líquidos e tecidos orgânicos, inclusive no líquido
cerebroespinhal e sistema nervoso. Concentrações terapêuticas são obtidas na saliva. Por
ser lipossolúvel a rifampicina pode chegar às micobactérias.
Metabolismo: A rifampicina é metabolizada no fígado e o metabólito é ainda ativo contra a
M. tuberculosis.
Excreção: 6 a 30% da rifampicina é excretada na urina; 30 a 60% sob forma desacetilada e
aproximadamente 50% inalterada. Ela é também excretada no leite materno e atravessa a
barreira placentária.
Meia vida: é de aproximadamente 3 horas após dose única oral de 600 mg e de 5,1 horas
após dose oral de 900 mg
FARMACODINÂMICA
As rifampicinas são derivadas do Nocardia mediterranei. A rifampicina age contra
Mycobacterium leprae, M. tuberculosis, diversas outras microbactérias e bactérias Gram-
positivas e Gram-negativas. M. fortuitum é resistente.
Mecanismo de ação: inibe a biossíntese do RNA bacteriano ao inibir fortemente a sub-
unidade beta da RNA-polimerase que depende do DNA, evitando a união da enzima do DNA
e bloqueando, assim, o início da transcrição do RNA.
RESULTADOS DE EFICÁCIA
-
Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica: Manual Técnico para o Controle
da Tu be r cu lose . Normas e Manuais Técnicos, n.148. p.28-30, 2002 ou edições
posteriores.
-
CASTELO FILHO, Adauto; KRITSKI, Afrânio Lineu; BARRETO, Ângela Werneck et al. II
Consenso Brasileiro de Tuberculose: Diretrizes Brasileiras para Tuberculose. J. bras.
pneumol. 30 suppl.1, p.S57-S86, 2004.
- Fundamentos farmacológico-clínicos de medicamentos de uso corrente acessível em
http://www.anvisa.gov.br/divulga/public/livro_eletronico/INDEX.HTM.
- Singapore Tuberculosis Service/British Medical Research Council. Clinical trial intermittent
regimens of rifampin plus isoniazid for pulmonary tuberculosis in Singapore. Am Rev
Resp Dis. n.116:p 807-820, 1977.
INDICAÇÕES
No tratamento das diversas formas de tuberculose e de hanseníase causadas por
microrganismos sensíveis, sempre em associação com outros antibacterianos adequados
para diminuir o risco de resistência bacteriana. Como o fármaco elimina o estado de
portador nasofaríngeo de Neisseria meningitidis de indivíduos que tiveram contato íntimo
com afetados por doença meningocócica, tem preferência nesta indicação.
CONTRA-INDICAÇÕES
Antecedentes de sensibilidade as rifampicinas. Portadores de insuficiência hepática merecem
cautela especial pelo risco de agravamento das condições do fígado. Uso concomitante com
contraceptivos orais ou fármacos hepatotóxicos. Insuficiência renal grave.
MODO DE USAR E CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO DEPOIS E ABERTO
Tanto as cápsulas como a suspensão, devem ser administradas em jejum, preferencialmente
uma hora antes ou duas após as refeições. Em caso de desconforto gástrico, recomenda-se
administrar junto com uma refeição leve.
O frasco da suspensão sempre deve ser agitado antes de usar, e após a abertura deve ser
mantido bem fechado. As cápsulas deste medicamento não podem ser partidas ou
mastigadas.
Conservar as cápsulas em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), proteger da luz e
umidade.
Conservar a suspensão oral em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), proteger da luz.
Após aberto conservar o frasco bem fechado na mesma condição.
POSOLOGIA
Deve-se observar o Manual de Normas para o Controle de Tuberculose, 4ª edição modificada
e revisada, da Fundação Nacional de Saúde do Ministério da Saúde (1995) ou edição
subsequente.
Tratamento da tuberculose pulmonar e extrapulmonar:
- Pacientes com peso inferior a 20 kg: 10 mg/kg de peso corporal ao dia.


- Pacientes com mais de 20 kg de peso até 35 kg: 300 mg/dia.
- Pacientes com mais de 35 kg de peso até 45 kg: 450 mg/dia.
- Pacientes com mais de 45 kg de peso: 600 mg/dia.
A duração do tratamento é de seis meses, sempre em associação com outros medicamentos
para o tratamento da tuberculose, no seguinte esquema: nos dois primeiros meses,
administra-se isoniazida, rifampicina e pirazinamida, nos quatro meses seguintes somente
isoniazida e rifampicina.
A administração deve ocorrer 1 hora antes ou 2 horas após as refeições.
Para tuberculose meningoencefálica as doses de rifampicina seguem o mesmo esquema
exposto acima mas o tratamento tem duração de 9 meses, sendo que nos dois primeiros
meses, administram-se os três medicamentos e nos sete meses seguintes administra-se
somente a rifampicina e a isoniazida.
A prevenção de doença meningocócica (meningite não tuberculosa), a dose é igual a citada
para meningite tuberculosa, durante apenas dois dias. Os recém-nascidos formam uma
exceção porque devem receber 5 mg/kg de peso corporal, duas vezes ao dia, durante dois
dias.
Hanseníase: dose mensal de 600 mg para adultos, sempre sob forma combinada. Pacientes
adultos com menos de 35 kg de peso devem receber doses mensais de 450 mg. Crianças
podem receber doses equivalentes a 10 mg/kg, desde que não ultrapassem as doses
mencionadas acima.
A rifampicina deve ser administrada de preferência com o estômago vazio 1 hora antes ou 2
horas após as refeições; pode eventualmente ser administrada com leite e suco;.
PRECAUÇÕES
- Em pacientes com comprometimento hepático as doses devem ser reduzidas (não exceder
8 mg/Kg/dia).
- Em pacientes com comprometimento renal não é necessário reduzir as doses, mas em
caso de real necessidade pode-se empregá-la sob supervisão médica.
- Recomenda-se não utilizar anticoncepcionais durante o tratamento com a rifampicina
ADVERTÊNCIAS
- Não deve ser utilizada como monoterapia para a tuberculose nem hanseníase.
- O paciente deve ser advertido da possibilidade de ocorrência de coloração avermelhada da
urina, saliva, lágrimas e de lentes de contato gelatinosas que podem se manchar em caráter
definitivo.
- Em alguns pacientes pode ocorrer hiperbilirrubinemia por competição. A elevação das
bilirrubinas ou transaminases como dado isolado não impõe a interrupção no emprego do
fármaco. Indica-se avaliação clínica e laboratorial evolutiva para melhor decisão. O paciente
deve ser orientado a evitar o uso de bebidas alcoólicas durante o tratamento.
ATEN ÇÃO: e st e m e dica m e n t o n a a pr e se n t a çã o su spe n sã o or a l con t é m a çú ca r ,
portanto deve ser usado com cautela em portadores de diabetes.
USO NA GRAVIDEZ
Não se conhece o efeito da rifampicina (isolada ou associada a outros fármacos
antituberculosos) sobre o feto humano. A rifampicina atravessa a barreira placentária. Nos
estudos em roedores demonstrou-se que a rifampicina administrada nas doses de 150 a 250
mg provoca fenda palatina e espinha bífida.



Não existem estudos bem controlados sobre o uso de rifampicina na gravidez. Se a
rifampicina for administrada durante as últimas semanas da gravidez pode provocar
hemorragias pós-natais na mãe e recém-nascido.
Categoria de risco na gravidez: C
USO NA AMAMENTAÇÃO
Não existem estudos bem controlados sobre o uso de rifampicina na lactação. Passa ao leite
materno portanto não deve ser utilizada, a menos que os benefícios para a mãe superem os
possíveis riscos para o recém-nascido.
USO EM PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA RENAL E/OU HEPÁTICA
Os pacientes com disfunção hepática ou renal constituem grupo de maior risco de efeitos
tóxicos. Só se deve empregar em caso de real necessidade e sob supervisão médica, com
monitorização de enzimas no sangue.
INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS
Vários medicamentos têm sua concentração plasmática diminuída, em virtude de seu
metabolismo acelerado quando utilizados com a rifampicina.
Ansiolíticos: diazepam.
Antiarrítmicos: quinidina e disopiramida.
Antibacterianos: cloranfenicol e dapsona.
Anticoagulantes: cumarinas e varfarina (reduz o efeito anticoagulante).
Anticoncepcionais orais.
Antidepressivos tricíclicos: imipramina, clomipramina.
Antidiabéticos: clorpropamida, tolbutamida e possivelmente outras sulfoniluréias (reduz
o efeito, dificultando o controle).
Antiepiléticos: carbamazepina e fenitoína.
Antifúngicos: fluconazol, itraconazol e cetoconazol.
Antipsicóticos: haloperidol.
Anti-retrovirais: indinavir, nelfinavir, efavirenz, nevirapina e saquinavir (evitar o uso
concomitante).
Beta-bloqueadores: propranolol.
Bloqueadores de canais de cálcio: diltiazem, nifedipino e verapamil e possivelmente o
mesmo ocorre com isradipino e nisoldipino.
Ciclosporina.
Citotóxicos: azatioprina (uso com rifampicina possivelmente leva à rejeição de
transplantes).
Corticosteróides.
Estrogênios e progestogênios em combinação ou progestogênios: o efeito contraceptivo
se reduz, exigindo uso de outro método se quiser evitar a gravidez.
Levotiroxina: pode aumentar a necessidade no hipotiroidismo.
Tacrolimus.
Teofilina.
Os antiácidos e o cetoconazol reduzem a absorção intestinal da rifampicina.
Outros medicamentos que tem sua ação diminuída: metadona, digoxina, paracetamol,
clofibrato, levotipoxina, amitriptilina e nortriptilina.
Álcool: o consumo diário de álcool pode aumentar o risco de efeitos tóxicos e do
metabolismo da rifampicina.
O uso concomitante da rifampicina com o trimetoprim pode aumentar a eliminação deste e o
emprego com o miconazol pode aumentar o risco de hepatotoxicidade.
INTERAÇÕES COM ALIMENTOS E CHÁS
A absorção da rifampicina é diminuída quando administrada junto com alimentos.


A erva-de-São João pode diminuir a ação de rifampicina.
INTERFERÊNCIA EM EXAMES LABORATORIAIS
As concentrações plasmáticas de ALT. AST, fosfatase alcalina, bilirrubina, uréia e ácido úrico
pode estar aumentadas
REAÇÕES ADVERSAS
Reações mais freqüentes: distúrbios gastrintestinais (inapetência, náuseas, vômitos,
diarréia e colite (associada ao uso do antibiótico), coloração avermelhada a marrom da
urina, fezes, saliva, suor e lágrimas.
Reações ocasionais ou raras: rubor facial, urticária, erupção cutânea, icterícia, insuficiência
hepática, pancreatite, púrpura trombocitopênica, epistaxe, metrorragia, hemorragias
gengivais, anemia hemolítica e síndrome pseudogripal com febre, astenia, cefaléia, tremores
e mialgia ,calafrios, respiração ofegante, tontura, dores musculares, tremores e hematúria.
Há registros de nefrite intersticial, necrose tubular aguda e choque, distúrbios do SNC
(confusão mental, ataxia, alterações visuais transitórias), neurite aguda e trombose venosa.
SUPERDOSE
Superdosagem de rifampicina pode levar a náusea, vômitos e letargia crescente logo após a
ingestão e também provocar coloração da pele em tom vermelho alaranjado, edema
periorbital ou facial, urticária e náuseas, vômitos, diarréia e outras manifestações como as
descritas no item anterior. Nos casos mais graves, são indicadas as medidas para reposição
hidro-eletrolítica e terapêutica de manutenção.
Tratamento: Deve-se preferir lavagem gástrica ao invés da indução do vômito. A diurese
forçada deve promover a excreção da rifampicina.
ARMAZENAGEM
As caixas contendo o medicamento devem ser conservadas em temperatura ambiente (entre
15°C e 30°C) e protegidas da luz e umidade.
PRAZO DE VALIDADE: 24 meses
PARTE IV ­ DIZERES LEGAIS
MS ­ 1.1039.0016
Farm. Responsável: Dr. Adivar Aparecido Cristina ­ CRF-SP nº 10.714
FUNDAÇÃO PARA O REMÉDIO POPULAR – FURP
Governo do Estado de São Paulo
Rua Endres, 35 – Guarulhos – São Paulo
C.N.P.J. 43.640.754/0001-19 – Indústria Brasileira
SAC ­ Serviço ao Cliente 0800 055 1530
DISPENSAÇÃO SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
PROIBIDA A VENDA AO COMÉRCIO


This document was created with Win2PDF available at http://www.win2pdf.com.
The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.
This page will not be added after purchasing Win2PDF.


Mais Bulas de Medicamentos


3.524 Comentários

  1. Larraine Hubertz…

    Thanks for odiassd your thoughts. One thing I have noticed is that banks plus financial institutions know the spending patterns of consumers and understand that most of the people max out there their credit cards around the holiday seasons. They correc…

  2. An outstanding share! I’ve just forwarded this onto a colleague who
    has been conducting a little homework on this. And he actually ordered me dinner due to the fact that I stumbled upon it
    for him… lol. So let me reword this…. Thanks for the meal!!
    But yeah, thanks for spending time to talk about this topic
    here on your site.

  3. phentabz disse:

    phentabz…

    [...]that will be the end of this article. Here you?ll uncover some web pages that we feel you?ll value, just click the links over[...]…

  4. Hi there great blog! Does running a blog such
    as this require a massive amount work? I’ve very little expertise
    in coding but I had been hoping to start my own blog in the near future.

    Anyways, if you have any suggestions or tips for new blog owners please
    share. I know this is off topic however I just wanted to ask.
    Kudos!

  5. News info…

    I was reading the news and I saw this really cool topic…

  6. pet sitting in naples…

    [...]below you will uncover the link to some web pages that we believe you should visit[...]…

  7. So, here’s my own listography of the best ways for
    you to check out books from the campus bookstore. The schools legendary progressive university teach the drivers when they need to do our best and get them to try
    it out with you. Tuition at University of Phoenix, DeVry University, Corinthian
    Colleges and Education Management Corporation. The site’s founder, Taylor Robinette,
    told The Chronicle: I’ll never go back to school.

    If your name is similar to having a secondary school released degree.
    2 I assigned lunch to special legendary progressive university teachers.

  8. tutaj disse:

    Alaina Hintzen…

    I am just odiassd commenting to let you understand what a excellent discovery my daughter undergone viewing the blog. She discovered lots of things, including what it’s like to possess an excellent giving mood to have folks with no trouble learn certa…

  9. lucyjs1 disse:

    Striking pctures
    http://blowdjob.net.erolove.in/?keely
    erotic asphyxia erotic photgraphy erotic video game writing erotic literature sexy pictures

  10. Recommeneded websites…

    [...]Here are some of the sites we recommend for our visitors[...]……

  11. Title…

    [...]just beneath, are several completely not related internet sites to ours, however, they’re certainly worth going over[...]…

  12. Thank you for the good writeup. It in fact was a amusement
    account it. Look advanced to far added agreeable
    from you! By the way, how could we communicate?

    Also visit my blog post Christian Louboutin Cheap

  13. Tumblr article…

    I saw a writer talking about this on Tumblr and it linked to…

  14. Your kids will enjoy taking a look at Winnie the Poop in
    a Christmas theme. This can help you get connected information from your problem and keep you focused.
    Use bright-colored t-shirts – orange, green, pink and hot favorites.

  15. Title…

    [...]that is the end of this write-up. Here you’ll uncover some websites that we feel you will enjoy, just click the links over[...]…

  16. A very important factor that you have to remember with A6 month-old
    child is that you’ve to be regular with them.
    This game comes with over forty tracks and a full closet packed with clothing and accessories.

  17. Title…

    [...]below you’ll come across the link to some sites that we consider it is best to visit[...]…

  18. Title…

    [...]one of our visitors just lately proposed the following website[...]…

  19. Vă sunt de fapt ranit de aceasta . Am creat un rezumat al elementelor de
    SEO care ar trebui să fie utilizate de fiecare dată când publicați și posta pe blog-ul dvs.
    .

  20. Hi would you mind letting me know which webhost you’re working with?

    I’ve loaded your blog in 3 different browsers and I must say this blog loads
    a lot faster then most. Can you suggest a good web hosting provider at a reasonable price?
    Thanks, I appreciate it!

    Take a look at my webpage Castle Clash Cheats

  21. Looking around…

    I like to browse around the internet, regularly I will go to Digg and read and check stuff out…

  22. Deborah disse:

    Hey this is kind of of off topic but I was wanting to know if blogs use WYSIWYG
    editors or if you have to manually code with HTML. I’m starting a blog soon but have no coding expertise so I wanted to
    get advice from someone with experience. Any help would be
    enormously appreciated!

  23. In this sport, one baby is picked to follow the others and indicate them.

    The Mummy offer a reward and can decide her favourite one.

    Over 16 countless users perform Restaurant city monthly.

  24. I am regular reader, how are you everybody? This post posted at this web page is in fact good.

    Also visit my webpage :: deer hunter 2014 Cheats

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>